"Ama a teu próximo como a ti mesmo"


Depois do escrito anterior  Apresentação  importa, de imediato, precisar os conceitos para evitar mal-entendidos, falsas interpretações, transposição de metas e de princípios.

O  conceito de Sua Voz é claro e exato. Aqui o exponho com o menor numero possível de palavras, cristalino e adamantino qual o sinto explodir em mim, para que resista a todo choque e a qualquer desvio.

O   principio e o conteúdo do movimento são estrita e exclusivamente evangélicos. Tudo aquilo que não pode permanecer no Evangelho de Cristo não pode igualmente permanecer neste movimento. Não é possível distorcer em nenhum sentido estas palavras.

As conseqüências  são, de igual modo, simples e evidentes.

O movimento e quantos dele participam devem manter-se dentro do princípio fundamental do Evangelho: "Ama a teu próximo como a ti mesmo". Não existe outro caminho possível. Quem não puder assimilar este princípio espiritual naturalmente estará excluído.

O movimento, qual o Evangelho, é apolítico e supernacional. É simplesmente humano em sua universalidade. E interior e espiritual, não externo nem material, a não ser em suas últimas e inevitáveis conseqüências, as quais não tocam, de modo algum, nas normas humanas, absolutamente fora de seus objetivos e de qualquer discussão.

Assim sendo, o movimento é também super-religioso, pois não atinge nenhuma expressão religiosa, mas as respeita todas, antes de tudo reconhecendo-as, tanto que as envolve todas num único amplexo. assim faz do dividido pensamento humano uma potência de concepção unitária, das separadas e multiformes crenças um ímpeto concorde de fé, de esperança e de paixão para um Deus que deve ser o mesmo e uma Verdade que deve ser a mesma, para todos.

Como tal, o movimento a todos convoca para que todos se unam em colaboração. Eis porque não existirão, como já se disse no precedente escrito, nem chefes, nem subordinados, nem cargos, nem funções, nem propriedades, nem direitos, nem sedes, nem riquezas. A edificação deve efetuar-se, para cada um, no intimo da própria alma, qual obra e construção sua. Indistintamente, todos são chamados à colaboração, para que cada um seja o criador, na próprio coração, do Reino de Deus.

Os meios humanos são, portanto, todos excluídos, porque não necessários. O novo Reino deve nascer, não nas organizações humanas, mas no coração dos homens. E cada um deve realizar essa criação antes de tudo em si mesmo, tornando-se melhor.

Não é, pois, preciso outro Chefe senão Deus, nem outro comando exceto a voz justa da consciência. Dir-me-eis, porém: Isto não basta para fazer uma religião. E eu vos digo: Não se trata de uma religião, mas de uma força que deve reavivar todas as religiões existentes.

Para quem discordar, não existe qualquer dispositivo de coerção como nas normas humanas, senão o perda automática da posição privilegiada de seguidor de Cristo — a perda da proteção da Lei justa de Deus. Isso significa uma rendição à feroz lei terrestre da luta e da força sem justiça. A Lei Divina, sempre presente, no interior das coisas e dos seres, não admite mentiras, porquanto é imanente na consciência. Não admite violações nem fugas, por situar-se no mais íntimo do espírito humano.

Eis a absoluta novidade deste movimento na história de todas as experiências humanas. Dele são  excluídos: comando, riqueza, força. Ele é construção eterna e não pode, por isso, usar senão materiais eternos. Cada empreendimento é uma construção cuja durabilidade depende dos materiais utilizados. Quem usar da espada perecerá pela espada; quem usar da violência pela violência perecerá, pois os meios usados como causa recaem depois, por força da Lei Eterna, inexoravelmente, como efeito sobre seu agente.

Se o movimento não atender a estes princípios será ilusório e caduco, como todas as coisas humanas E qualquer elemento humano que nele introduzirdes ser-lhe-á como um caruncho destruidor, uma força lenta continuamente em tensão para a destruição.

Como movimento  social, inspira-se, portanto, em princípios nunca usados pelo homem na história do mundo. Por estas características, reconhecereis que ele vem do Alto, de um mundo não vosso, porque nenhum elemento vosso nele é introduzido nem nele está contido; ao contrário é cuidadosamente excluído.

A imediata conseqüência prática desta claríssima tomada de posição diante do mundo é a seguinte: Se todos são admitidos, contanto que puros e honestos de coração, são automaticamente excluídos aqueles que tais não são. Depuração, portanto, por força intima da realidade.

Vós, da Terra2, acostumados como sois a mover-vos constantemente num mundo de imposição e de força, sem nada poderdes obter sem estes meios, dificilmente vos inteirais da intervenção de quais forças sutis, invisíveis e íntimas, poderosíssimas e invioláveis, seja feito este movimento. Destes princípios aqui enunciados emana imediatamente esta conseqüência pratica e evidente: não podem tomar parte neste movimento os inaptos.

Por ser ele alicerçado sobre aqueles princípios, os gananciosos de riqueza, de mando, de glória e poder, sempre prontos e à espera para fazer especulação de tudo, até das coisas de Deus, não encontrarão alimento algum, o mínimo ponto de apoio e por si mesmos se afastarão.

Obtém-se, então, automaticamente, sem demora,  sem gasto de energia, o afastamento da primeira ameaça que surge em qualquer  movimento humano — a possibilidade de desfrute. Evita-se que o mal possa aninhar-se nele, e obtém-se, ainda, que seja imediatamente eliminado  Vede qual potência contém o imponderável fator moral, também nas organizações humanas. Esse poder é tal que pode substituir esplendidamente, se genuíno, todos os vossos exércitos, as vossas complexas transações econômicas, todo esse tremendo equipamento de obrigações e vínculos que demonstram não vossa força, mas vossa fraqueza. E por caminhos assim tão simples conseguireis vantagens e uma perfeição que nenhuma organização humana pode alcançar. Aqui não existem atritos, pois não há luta nem força, nem pode haver traição, porquanto não existe mentira. O inimigo é externo: o mal; mas, o mal não se vence com outro mal, mas, sim, com o bem.

As rodas sobre as quais avança este organismo são —  altruísmo (e não egoísmo), pobreza, dever, amor, sacrifício e, se necessário for, o martírio. Ante o perfume destas grandes coisas as almas perversas fogem e, numa atmosfera assim rarefeita, os indignos sufocam e velozmente se afastam para nunca mais se aproximarem. Eis as bases. Eis o tesouro que vos dará alimento e poder, eis o exército que vos defenderá.

É esta, pois, uma cruzada de homens honestos, simplesmente honestos. Não importa ciência, nem riqueza, nem poderio. Disso não temos necessidade. Atras do justo, existe uma força tremenda  a Lei Divina, que o protege. Não vos preocupeis se não perceberdes essa Lei. Ela é a mais profunda realidade da vida. Não temais se esta realidade permanecer sufocada em vosso baixo mundo de dor, encoberta pela vossa densa atmosfera de culpa. Cada homem a sente no profundo de sua consciência com um instinto incoercível. Mas, o justo, logo haja alcançado os mais altos níveis de vida, de imediato a encontra e a sente com absoluta confiança e por ela se reconhece seguramente amparado.

Esta cruzada de homens novos se constitui hoje no mundo para sua salvação. Seus componentes se recrutarão em todas as classes, em todas as crenças, em todos os países.

Não se trata de vãs utopias. São possibilidades lógicas e reais, baseadas sobre forças concretas, embora sejam para vós imponderáveis.

Uma só coisa basta: ser honesto E basta sê-lo para sentir-se irmão e unido aos irmãos honestos. Não vos reconhecereis por sinais exteriores, mas somente por essa íntima sensação que vos lançará irresistivelmente uns nos braços dos outros. Não vos fatigueis, como sempre tendes feito, a escavar abismos entre vós em todos os campos, mas lutai para reencontrar-vos todos nesta unidade substancial de espíritos. Ela é urgente, pois que são iminentes e tremendos os tempos que a impõem como questão de vida ou de morte.

       *   *   *
Nestas palavras, não minhas, mas de Sua Voz, tudo é construtivo. Nunca atacam e se há alguma coisa para destruir, elas com isso não se preocupam, mas a deixam em abandono para que caia por si: não existe mais ativo agente de destruição do inútil do que um novo organismo vital em funcionamento.

Se um corpo é velho e moribundo, afadigar-vos-eis em destruí-lo? O que é verdadeiramente inútil cairá por si mesmo, sem necessidade de se acionar uma causa de destruição violenta, que recairia depois inexoravelmente sobre quem a movimentou. Acreditais que para demolir aquilo que é inútil, seja mesmo indispensável a intervenção do homem e que ele seja capaz de guiar e escolher com segurança, e que a Lei não contenha em si os meios para afastar aquilo que não tem razão de ser? Como podeis crer seja isso possível num organismo totalmente regido por um perfeito equilíbrio, qual é o universo?

A condição para ser admitido neste movimento é um simples exame de consciência perante Deus. Coisa simples, profunda e imensa, fácil e tremenda. Mas, isto nada é, dirá o mundo. Entretanto, isto é tudo, diz o Espírito. Experimentai seriamente e sentireis que é verdade. É esta coisa simples e tremenda que o homem deve hoje fazer, à margem do abismo onde, se não se detiver, cairá de maneira terrível.

E se vós, almas sedentas de ação exterior, de movimento e de sensações, quereis evadir-vos desta íntima vida do espírito para ingressar em vossa exterior realidade humana e trabalhar, clamar, conquistar e vencer também com os braços e com a ação, então vos digo: "Saí, saí de casa; ide ao vosso inimigo mais cruel, àquele que mais vos tem traído e torturado e, em nome de Cristo, perdoai-lhe e abraçai-o; ide àquele que mais vos tem roubado e cancelai-lhe o débito, e mais, entregai-lhe quanto possuís; ide aquele que mais vos insultou e dizei-lhe, em nome de Cristo: Eu te amo como a mim mesmo, porque és meu irmão.

Direis: Isso é absurdo, é loucura, é desastroso; é impossível sobre a Terra esta deposição de armas. Mas, eu vos digo: Vós sereis homens novos somente quando usardes métodos e recursos novos. De outra forma, não saireis nunca do ciclo das velhas condenações que eternamente punirão a sociedade das suas próprias culpas. Pela mesma razão pela qual Cristo se ofereceu na cruz, hoje a humanidade deve sacrificar-se a si mesma por esta sua nova, profunda, absoluta e definitiva redenção. Porque sem holocausto nunca haverá redenção.
   
O mundo louco arma-se contra si mesmo, com perspectivas sempre mais desastrosas, de recursos tremendos em face dos atuais progressos científicos. Uma conflagração bélica não deixará mais nenhum homem salvo sobre a Terra, se a loucura humana não se detiver a tempo. Onde o homem assim procede não existe senão uma extrema defesa: o abandono de todas as armas.

Dizeis: Mas, nós temos o dever de viver.

E eu vos digo: Quando vós, com ânimo puro, disserdes  Em nome de Deus — então, tremerá a Terra porque as forças do Universo se moverão; quando fordes verdadeiramente justos, quando inocentes, se a violência vos ferir, triunfando momentaneamente, o    Infinito precipitar-se-á aos vossos pés para dar-vos a vitória e levantar-vos ao Alto, na condição de triunfadores na Eternidade, bem longe do átimo de tempo em que a violência venceu.

*    *    *

Eis os princípios que Sua Voz me transmite — desta vez não mais sob forma afetuosa, mas feitos de poder e conceito.

Eis o que Sua: Voz pede a alma do mundo. Sua alma coletiva, una e livre como uma alma individual, pode escolher e dessa escolha dependerá o futuro. Sua Voz afasta-se, em silêncio, de quem não A segue.

Eis o que Sua Voz pede, primeiramente ao Brasil, escolhido para a primeira afirmação destes princípios no mundo. E esta afirmação deve ser um imenso amplexo de amor cristão. Será a primeira centelha de um incêndio que nos deve inflamar de bondade para dissolver o gelo de ódio e rivalidade que divide, esfomeia e atormenta o mundo.

Este é o espírito dos novos tempos. Somente quando virmos este espírito voltar à  vida dos povos, é que poderemos dizer que Cristo voltou outra vez e esta presente entre nós.


Gúbio (Itália), na noite de 12 de fevereiro de 1934
_______________________________________________________

2 - Aqui, o pensamento da Entidade Espiritual Sua Voz se substitui imprevistamente ao do autor.

(N.do A.)




  • pesquise na obra
  • avancemos
  • palestras e estudos
  • livro a lei de Deus
  • congressos
  • livraria