"S. Vicente, 2 de março de 1958.

Nazarius,

A sua carta demorou 16 dias para chegar. Neste ano não tive férias, fiquei em casa sempre trabalhando. Os meus foram descansar só uma semana, no mês de março.

Faço votos e oro também a Deus para que tudo corra bem no seu trabalho e alcance todo sucesso.

Esperamos que seja vitória e não derrota. Espero as notícias, logo que for possível.

Quando esta carta chegar, tudo estará acabado e você poderá descansar. Perguntou-me a respeito da saúde. Não estou doente, mas percebo enfraquecimento geral, um cansaço contínuo. São os primeiros sinais da libertação final, que tanto almejei. Isto é motivo de alegria. Que poderia desejar mais do que a alegria de fugir deste mundo de feras? Tenho compaixão dos moços que ainda têm de viver. Mas eles não sabem e é bom não saberem. Além disso, têm mais força e menos sensibilidade. Deus ajuda a todos. Ajudará a você, como ajudou a mim.

Viajar se torna sempre mais difícil para mim.

Conseguiremos um dia encontrar-nos para trocar idéias, depois de tantos anos, quantos são?

Se o pacote de Belo Horizonte não chegou, não se preocupe. Escrevi para saber do próprio remetente.

Agradeço-lhe pelas suas boas palavras, pelos votos de saúde e preces a Deus.

A vida é assim feita para sofrer e aprender. Agradecemos sempre a Deus.

Saudades a todos e votos de felicidade,

Pietro Ubaldi"

COMENTÁRIO

Os encontros que aconteciam a cada seis meses, tornaram-se sempre mais difíceis por muitas razões:

– O discípulo já havia aprendido bastante e precisava colocar aqueles ensinamentos em prática. A oportunidade foi singular: Estava na Capital e os atrativos do mundo eram muitos. Assim era a vontade da Lei, mas Nazarius não sabia. Tentando seguir as pegadas do mestre, também acompanhava os acontecimentos para obedecer à Lei. O último encontro foi a um ano, quando Pietro Ubaldi veio ao Rio de Janeiro, em 27 de abril. A amizade era tão sólida que um tempo pequeno parecia tão grande: “Conseguiremos um dia encontrar-nos para trocar idéias, depois de tantos anos, quantos são?”;

– Os problemas para Pietro Ubaldi se avolumaram de tal ordem que lhe dificultaram viajar. Não somente a doença da esposa, mas sobretudo a velhice, próximo dos setenta e dois anos. “Não estou doente, mas percebo enfraquecimento geral, um cansaço contínuo.” Ele tinha consciência da sua importância para o progresso espiritual do mundo e não podia desperdiçar suas energias com viagens que não fossem a favor da Obra. “Viajar se torna mais difícil para mim”.

Os espinhos que dilaceraram sua carne eram tantos, que o fizeram sempre desejar a morte, como “libertação final” e “motivo de alegria”. A sua dor não era a de um desesperado, mas de alguém que compreendeu a sua função criadora e redentora. Sofrer, todos sofrem, mas compreender a razão de seu sofrimento é privilégio de poucos e depende da sensibilidade e evolução de cada um.

Reconhece que os jovens têm mais forças e mais energias, mas têm menos sensibilidade e não sabem o futuro que lhes espera. Por isto afirmou: “tenho compaixão dos moços que ainda têm de viver.” Ele viveu bem, espiritualmente, e soube atingir a meta maior, a serviço de Cristo. Aqueles que não têm um objetivo superior na vida, esta se torna vazia e eles se tornam dignos de compaixão.

 




  • pesquise na obra
  • avancemos
  • palestras e estudos
  • livro a lei de Deus
  • congressos
  • livraria